segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Deputado Rubens Pereira Junior denuncia prisão de professor na cidade de Itinga


Com informação da Agência Assembleia


O deputado Rubens Júnior (PCdoB) ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa nesta segunda-feira (10), para denunciar que membros da Polícia Militar do Maranhão, lotados no Batalhão do município de Açailândia, invadiram a escola estadual Centro de Ensino Terezinha de Jesus Coelho Rocha, no município de Itinga, e prenderam e algemaram o professor de física Abedenego Ribeiro, em pleno exercício profissional na sala de aula.

O parlamentar disse que o ato de violência contra o professor teve grande repercussão na Região Tocantina, e provocou indignação na comunidade escolar do Centro de Ensino Terezinha de Jesus Coelho Rocha, por causa o clima de terror instalado na escola pela atual direção da instituição de ensino do Estado.

Rubens Junior informou que denúncias ao Simproesemma dão conta que a direção da escola persegue violentamente três professores. O último episódio teria acontecido na segunda-feira (03), com a prisão arbitrária do professor de física Abedenego Ribeiro, que saiu da escola algemado por policiais e está preso em Açailândia, acusado de desacato à autoridade.

De acordo com Rubens Junior, a família do professor informou que ele estava suspenso da escola e a punição teria terminado na segunda-feira (3), quando deveria retomar suas atividades no centro de ensino, onde leciona física no turno da noite . Ao chegar à escola, o professor foi trabalhar, mas foi surpreendido com a chegada da polícia que pediu para ele se retirar da escola.

O professor Abedenego Ribeiro teria dito aos policiais militares que não sairia da sala de aula, pois estava cumprindo com suas obrigações profissionais. “Contrariados, os policiais deram voz de prisão ao professor e o levaram algemado, injustamente, como se o mestre fosse um criminoso na frente dos seus alunos”, conta a família.

Por outro lado, o deputado porque alerta que o clima no local é bastante tenso. Ele soube por meio da imprensa que tudo começou porque os alunos da noite não aceitam a forma como são tratados pela atual diretora, “que humilha os alunos, chama-os de burros, obriga-os a pagar aula de reforço, indevidamente, e ainda promove festa com bebidas alcoólicas dentro da escola”.

De acordo com relatório do Sinproesemma, a situação de desrespeito da direção da escola seria denunciada publicamente no desfile escolar de 5 de setembro, mas os alunos foram impedidos por pessoas enviadas pela direção para arrancar as faixas das mãos dos estudantes. “Como o professor é muito querido, a diretora passou a hostilizá-lo e acusá-lo de incitar os estudantes para fazer protestos contra a sua gestão escolar”, diz o Sindicato.

Ainda segundo o relatório do Sinproesema, “o professor Abedenego Ribeiro teve uma espécie de surto dentro da delegacia, obviamente por ter sido detido injustamente, e está sendo vítima de uma grave injustiça, constrangimento e violência pelo qual está passando, ele precisou inclusive ser medicado dentro da delegacia”.

PROVIDÊNCIAS
Para Rubens Júnior, diante das denúncias o governo do Estado tem obrigação de apurar o caso e estabelecer a paz dentro da escola, repudiando a prisão do professor tratado como criminoso. “Pedimos diligências para esclarecer essa situação e saber o que aconteceu com o professor. Não podemos aceitar que professores sejam tratados como criminosos dentro de uma escola pública do Estado do Maranhão”, concluiu.

Um comentário:

Alcebíades Kemps disse...

"Educar é crescer. E crescer é viver. Educação é, assim, vida no sentido mais autêntico da palavra".
Conforme o relato dessa reportagem postada neste Blog é louvável a indignação do deputado Rubens P. Júnior quando posiciona-se diante das atitudes arbitrárias da diretora do Centro de E. Terezinha de Jesus Coelho Rocha, Povoado de Itinga, Município de Açailândia, no Estado do Maranhão! Faz–se necessário o Conselho Estadual de Educação ou até mesmo o Conselho Federal de Educação tomar providências cabíveis a respeito do acontecido. É inaceitável que ainda exista no Brasil um modelo de Escola centrado na arbitrariedade e na deseducação como esse de Itinga. Atualmente, o processo educacional busca a libertação do ser humano e das numerosas propostas para a transformação da escola em instituição que atenda os excluídos e assuma a culpa pela situação de inferioridade e exclusão. Esta reconstrução só terá oportunidade de acontecer a partir do esforço dos educadores, da própria comunidade escolar em busca de novo modelo de relações entre professor e aluno, entre a equipe escolar e entre a escola e Sociedade. Não pode estar baseada em regras impostas, nem na burocracia, que restringe a possibilidade de decisão a uma minoria, nem em informações que se canalizam de cima para baixo, fortalecendo o autoritarismo de uns poucos e a submissão e dependência da maioria. O deputado Rubens Jr. agiu mais uma vez de forma autêntica e brilhante em defesa dos necessitados que merecem respeito nas escolas públicas do Maranhão.

Siga-nos pelo Google+ Followers